Dieta mediterrânica diminui o risco de doença renal crônica

Por J.Costa


Um estudo recente divulgado pelo Jornal de Clínicas da Sociedade Americana de Nefrologia, alega que os seguidores da dieta mediterrânica possuem menor risco de desenvolver doenças renais crônicas. Este estilo de vida baseia-se principalmente no consumo de alimentos de origem vegetal, além de peixes e aves de capoeira. Foca-se na ingestão de gorduras saudáveis em detrimento das saturadas.

Benefícios da dieta mediterrânica

Além da questão renal, a dieta mediterrânica é ligada a outros benefícios a saúde como: diminuição do risco de AVC, ataque cardíaco, diabetes, câncer, entre outros.

Quando complementada com o consumo de nozes e azeite de oliva tende a reverter a síndrome metabólica.

A dieta mediterrânica e o risco de doença renal crônica

Avalia-se que aqueles que seguem a dieta mediterrânica vejam o risco de doença renal crônica diminuir em cerca de 50%. O estudo foi elaborado em cima dos resultados adquiridos com 900 participantes em um horizonte de 7 anos.

Esta doença atinge hoje cerca de 20 milhões de pessoas, apenas nos EUA, e os principais alvos são adultos com mais de 70 anos.

Dieta mediterrânica diminui o risco de doença renal crônica

Principais alimentos inclusos na dieta mediterrânica

A dieta mediterrânica dá mais importância aos seguintes alimentos:

  • Alimentos de origem vegetal: a dieta foca-se, principalmente no consumo de alimentos advindos de plantas, como frutas, legumes, nozes e cereais integrais.
  • Corte de gorduras saturadas: alimentar-se com base nesta dieta é optar por alimentos ricos em gorduras saudáveis. Um exemplo seria trocar a manteiga por azeite de oliva.
  • Reduzir o consumo de carne vermelha: como se pretende fazer uma mudança, principalmente na qualidade do tipo de gordura ingerida, o consumo de carne vermelha é reduzido a pouquíssimas vezes no mês.
  • Peixes e aves: como se corta a carne vermelha da alimentação cotidiana, passa-se então a se alimentar de peixes e aves em média 2 vezes por semana.
  • Tomar vinho tinto: o vinho tinto é opcional e deve ser consumido de forma moderada. Sem demasiados exageros ele fará muito bem à saúde.

A dieta mediterrânea não precisa ser englobada na categoria das restritivas e pode ser considerada uma forma mais saudável de se alimentar. Muitos que começam e sentem os benefícios não sentem a necessidades de mais alterações no padrão alimentício.

Para que tudo corra como o planejado, basta seguir o básico: comer mais frutas, vegetais, cereais integrais, nozes e gorduras saudáveis. Esqueça as saturadas e diminua o consumo de carne vermelha. Se seu modo de vida é completamente diferente do citado, pode acabar por passar algumas vontades no decorrer do processo, mas será simples de se adaptar. Comece a dieta mediterrânica e sinta uma melhora na sua qualidade de vida, sem contar a redução do risco de doenças dos rins, entre outras.

Continue lendo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.